Em Oaxaca, no México, o alfaiate Manuel conserta ruas e calçadas por pura empatia

Cerca de oito anos atrás, Manuel Chavez Nuñez caminhava com a esposa Ângela San Juan no Centro Histórico de Oaxaca de Juarez, capital do estado de mesmo nome localizado no sul do México, e presenciou uma cena lamentável: um homem com visão reduzida caiu dentro de um bueiro destampado e ficou muito machucado.

Um homem com deficiência visual se feriu depois de cair em um bueiro sem tampa.

Ao chegar em casa, combinou com a esposa que passaria a atuar contra esse tipo de ocorrência e contribuir para tornar as ruas mais acessíveis e seguras para pedestres. Surgiu assim o grupo Salvando Vidas.

Ele conta essa história enquanto bate com o martelo em um esmeril para tirar um tronco de madeira que está há meses atrapalhando a locomoção da população na avenida Independência. O trabalho demora mais de uma hora e depois de conseguir remover esse pedaço de árvore da rua, a esposa aciona o play da câmera:

“Estamos aqui na Avenida Independência em frente ao Jardim Sócrates. Estamos retirando o tronco porque impede a mobilidade das pessoas que passam por aqui porque nós, do grupo Salvando Vidas, sempre nos preocupamos com pedestres, então essa manhã conseguimos tornar a rua acessível”, declara.

Manuel explica que o coletivo começou com apoio de toda a família e ao longo dos anos outras pessoas se envolveram com a causa, mesmo não havendo nenhuma remuneração. O grupo remove parafusos do chão, cobrem ralos e bocas de lobo, resgatam espaços públicos, protegem árvores e constroem rampas nas calçadas.

Alfaiate de Rua

Quando não está salvando vidas, Manuel Chavez se dedica à profissão herdada do pai. “Na minha casa eu sou um alfaiate, mas lá fora eu me torno um pedreiro, policial rodoviário, arquiteto, jardineiro e muito mais”, brinca.

Como a frequência de doações são irregulares, parte das despesas ele cobre com o próprio salário. Em geral, arca com o transporte, os materiais e as ferramentas usadas para arrumar as ruas da capital oaxucana. Às vezes recebe ajuda de vizinhos e de algumas empresas que perceberam a importância de seu trabalho nas ruas da capital.

Manuel retirou os parafusos de fixação de um poste de telefone público

“Fui chamado por pessoas de outros municípios que me perguntam se posso doar ou ajudar com o material, mas digo a eles que mal tenho para que cobrir o meu território”, diz ele, rindo.

O alfaiate admite que no início não conhecia termos como mobilidade ou inclusão, mas vem pesquisando esse tema pelo qual é apaixonado.

Salvar pedestres sem politizar a missão

Dom Manuel relata que antes das eleições de 2021, um jovem, que mais tarde concorreu à presidência municipal, prometeu ajudá-lo a multiplicar essas ações fornecendo ferramentas melhores.

“Ele nos deu os cones dobráveis, luvas e algumas ferramentas e sugeriu que fizéssemos parte do projeto, mas não queremos que essas ações sejam politizadas”, disse.

Manuel conserta a tampa de  um registro de água

Rampas nos cantos

Quem agradece ao trabalho de Manuel é Laura Amador, mãe de Saraki, que tem deficiência motora e anda em uma cadeira de rodas. Ela diz que é difícil empurrar a filha pelas ruas da capital oaxácana; muitas calçadas têm buracos, faltam rampas ou são obstruídas por carros.

Durante dois anos, Manuel, juntamente com uma associação, implantou centenas de rampas que permitiram uma melhora na acessibilidade às calçadas por cadeirantes ou outras pessoas com deficiência motora.  Para criar os acessos, aproveitaram a deterioração dos cantos das calçadas. “Esse arranjo beneficia todos os cidadãos, pois ele se torna acessível; se os motoristas danificam a calçada, também prejudicam os pedestres”, disse.

Dando valor à vida

Manuel diz que quando vê um buraco em uma avenida não pensa nos prejuízos de donos de carros, mas na possibilidade de um ciclista ou motociclistas se espatifarem no chão. A cidade vive uma epidemia de roubo de tampas de bueiros, que são de ferro.

Ele também ressalta que é recorrente o trabalho de tampar os registros de drenagem e de remover os parafusos presos ao chão que serviam para fixar postes de telefones públicos, que têm sido retirados da cidade.

“Uma senhora nos chamou para pedir a remoção de alguns parafusos porque ela não os viu e fraturou o tornozelo. Eu não queria que isso acontecesse com mais pessoas”, confessa.

A reportagem fez contato com a secretaria de Meio Ambiente da cidade, bem como com os Grupos Vulneráveis ​​e de Obras Públicas para comentarem o assunto e atividades realizadas por Dom Manuel. Ninguém respondeu.

No entanto, Dom Manuel revela já  ter trabalhado com os órgãos municipais que se mostraram abertos a fazer algumas melhorias. Mas a depender da administração vigente, o diálogo em geral é difícil.

“Durante os primeiros meses de ativismo, isso há 8 anos, enquanto eu estava consertando um bueiro, os fiscais municipais queriam confiscar minha buzina que usava para chamar a atenção para os espaços, então tive que suspender a atividade”, finaliza.

Reportagem original da Revista Cletofilia publicada em julho de 2021 como parte do programa de Jornalismo de Segurança Viária do ICFJInternational Center for Journalists

Edição e tradução de Rogério Viduedo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.