O Plano Global de Segurança Viária da ONU quer as mulheres no centro da tomada de decisão das políticas de mobilidade

A questão do gênero é destaque no Plano Global da Segunda Década de Ação pela Segurança no Trânsito 2021-2030 lançado em outubro de 2021. Ela está junto a outras seis medidas que devem ser tomadas para evitar que mais 13 milhões de pessoas morram e 500 milhões fiquem feridas por causa de colisões e atropelamentos.

O Plano Global descreve o que é necessário para atingir essa meta e convoca governos e parceiros a implementarem uma ABORDAGEM DE SISTEMAS SEGUROS INTEGRADA e para isso ela precisa de mulheres nas tomadas de decisão:

“As questões de segurança no trânsito se aplicam de maneira diferente a homens e mulheres por uma variedade de razões físicas, comportamentais e sociais. Apesar da maior vulnerabilidade das mulheres durante um sinistro, elas têm muito menos probabilidade de morrer nesses eventos do que os homens.
Quando elas morrem, geralmente é em diferentes circunstâncias, como pedestres e passageiras de automóveis, em vez de condutoras de automóveis e motociclistas. Isso reflete em parte o maior número de deslocamentos motorizados feitos por homens. Também reflete as diferenças de gênero ao assumir riscos. As evidências sugerem que os condutores do sexo masculino estão ssociados a um risco 2 a 4 vezes maior por km do que as mulheres, mesmo levando em consideração que os homens usavam predominantemente os meios de transporte mais perigosos, incluindo transporte e ocupações relacionadas.

Existem também grandes diferenças de gênero nos padrões de lesões de trânsito. As mulheres têm um risco 47% maior de lesões graves em um sinistro de automóvel do que os homens e cinco vezes mais risco de lesão cervical. As diferenças intrínsecas de gênero com relação ao esqueleto podem ser uma das possíveis razões para a maior incidência de lesões em mulheres.

Contudo, a maioria dos testes regulatórios que avaliam a segurança dos ocupantes do veículo usam apenas modelos do sexo masculino médio e, portanto, não refletem as características físicas específicas e as necessidades das mulheres. Como tal, o seguinte deve ser considerado como parte da implementação do Sistema Seguro: Os regimes da política de transporte devem fornecer um ambiente propício para que homens e mulheres compartilhem uma mobilidade segura, protegida, acessível, confiável e sustentável e a participação não discriminatória no transporte.

Mais mulheres devem estar envolvidas no setor de transporte e seus processos, como operadoras de sistemas de transporte, tomadoras de decisão no desenvolvimento de sistemas regulatórios e políticos, como engenheiras e designers e em todo lugar. É necessário um maior enfoque nas diferenças de gênero em relação ao projeto e à construção de todos os aspectos
da infraestrutura de transporte. Por exemplo, o projeto do veículo precisa ser modificado para acomodar as diferenças na ergonomia entre os gêneros, o dummy [boneco de teste] EvaRID é um bom exemplo de como isso pode ser alcançado quando tiver sido validado com sucesso por testes regulatórios.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.