Bike Arte sorteia Trek para quem participar do festival online que começa sábado

O Bike Arte Gira 2020 – A Festa da Rua na Sua Casa, vai oferecer a internautas dois festivais e 24 oficinas temáticas online e dois cursos de mecânica presenciais para incentivar a cultura bicicleta e a ocupação das ruas de forma sustentável. As transmissões serão gratuitas e podem ser acompanhadas pelo canal do Aromeiazero no Youtube, página do Bike Arte no Facebook.

A largada da maratona de apresentações e cursos começa com um festival neste sábado, 22 de agosto, seguirá com as oficinas de formação ao longo de quatro semanas e se encerra com outro festival, em 20 de setembro. 
Durante oito horas consecutivas, haverá apresentações musicais, artísticas e culturais produzidas por talentos da periferia de São Paulo. 

Destaque para as manobras radicais de Hudson Xavier do Portal Wheeling, canal do Youtube com mais de 2 milhões e meio de seguidorxs. Ele vai ensinar a dar o grau dentro de casa enquanto conversa com Renata Falzoni, do Bike é Legal.

Terá ainda as dicas de alimentação sustentável da Gastronomia Periférica, o balanço empoderado do Samba das Pretas, a música identitária dos gêmeos Keops e Raony e a dança performática de Gustav Coubert. Para as crianças, Danuza Novaes vai apresentar as Histórias de Ananseda tradição oral de Gana.

Apenas uma das atividades será realizada na rua. O coletivo Imargem vai produzir um grafite em uma área pública do Centro de São Paulo. A mensagem deve chamar a atenção da população para o benefício do uso da bicicleta bem como para a necessidade de proteção contra a Covid-19. O processo de criação será registrado em vídeo para ser apresentado durante o festival e debatido com os artistas. 

Quem acompanhar a programação poderá ganhar uma bicicleta Trek novinha. O sorteio será realizado no Festival de 20 de Setembro. Pra concorrer, é preciso participar de uma das oficinas online e enviar um vídeo mostrando o que aprendeu na aula.

Oficinas temáticas
A sequência de 24 cursos online começa na segunda-feira, 24 de agosto. As oficinas vão ensinar estilização de bicicletas, dança e ritmos de rua, produção de pipas, entre outros.

Haverá ainda, dois cursos presenciais de mecânica de bicicletas voltado para a população em geral. Porém, para evitar o contágio pelo novo coronavírus, cada uma das aulas terá a presença máxima de duas pessoas. 

O final do evento acontece com um último festival, também com duração de oito horas, em 20 de setembro.

“A missão do Bike Arte Gira 2020 na versão online é a mesma dos festivais ao ar livre. De incentivar e conscientizar as pessoas a ocupar os espaços urbanos com arte e cultura e engajar comunidades a pensar nas ruas como lugares mais humanos, sem carros”, diz Murilo Casagrande, diretor do Aromeiazero. “Ele também contribui para amenizar a crise financeira que o setor cultural enfrenta, principalmente aquele baseado nas periferias”, completa. 

Programação do festival de 22 de agosto

11h MC Dani Nega – Atriz e poeta, Dani Nega será a mestra de cerimônias do Bike Arte Gira 2020. Compositora e ativista do movimento negro e LGBTQI+, é ganhadora de um Prêmio Shell de melhor trilha sonora com o espetáculo, Terror e Miséria no Terceiro Milênio com o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos. Ela estará ao longo de toda a transmissão apresentando as atrações do dia.

11h20 – Danuza e as histórias de Ananse –  Bem-humoradas e repletas de ensinamentos, as histórias da aranha Ananse são transmitidas oralmente e  muito populares em Gana. Falam de costumes, tradição, ética e respeito, mantendo-se vivas na memória do povo há muito tempo. Ideal para crianças. Com Danuza Novaes.

12h10 – Gastronomia Periférica – o chef Edson Leite aprendeu a cozinhar em grandes restaurantes da Europa e, quando voltou, criou o Gastronomia Periférica, iniciativa que dialoga com a população da quebrada a cozinhar de forma criativa e sustentável. Ele vai preparar um prato delicioso e nutritivo utilizando restos e sobras de alimentos que em geral são jogados no lixo.

13h20 – Arte Sem Gênero  – Por meio da dança performática, Gustav Courbet convida para a reflexão sobre as questões de gênero, incidência LGBTQ+ e não-binarismo nas artes e na cultura da periferia.

14h40 – Infografite – Artistas do Imargem vão contar o processo de criação e produção do grafite pintado na região do Glicério que tem o objetivo de alertar a população sobre dois temas: o uso da bicicleta como ferramenta de transformação social e a necessidade de prevenção contra a Covid-19. O Imargem é uma iniciativa multidisciplinar do bairro do Grajaú que usa a arte urbana para a conscientização ambiental.

15h20 – Samba das Pretas – O grupo formado por mulheres pretas moradoras da Cidade Tiradentes, extremo leste da Capital, usa o samba como forma de fortalecer o protagonismo da mulher preta na sociedade e de enfrentar os problemas cotidianos, como desigualdades sociais, de gênero e raça.

16h40 – Keops e Raony – O gêmeos pernambucanos vocalistas da banda Medulla, em seu projeto independente, vão apresentar músicas que falam sobre a identidade retirante e se evidenciam em criações com recortes de brasilidade. Destaque para o single Destino Cigano que aborda a vivência dos músicos entre Rio de Janeiro e São Paulo. 

17h50 – Portal Wheeling – Hudson Xavier vai bater um papo com Renata Falzoni e ensinar os primeiro passos (ou pedaladas) do wheeling, manobra que consiste em andar de bicicleta em apenas uma das rodas pela maior distância possível, mais conhecido como dar o grau. O canal dele no YouTube possui mais de dois milhões e meio de seguidorxs. 

18h50 – Sorteio de pôsteres com a temática da bike de artistas diversos e final do evento.

Para  mais informações sobre datas e horários dos cursos online, atualizações da programação do festival e da forma de participação no sorteio da bicicleta Trek, siga as redes sociais do Bike Arte e Aromeiazero:
www.facebook.com/aromeiazero – www.instagram.com/aromeiazero – www.facebook.com/bikearte – www.instagram.com/bikearte

O projeto Bike Arte Gira 
O Bike Arte Gira é projeto voltado para populações menos favorecidas com intuito de fomentar a arte e promover o direito à cidade e mobilidade urbana. É composto por oficinas de formação educacional, cultural e artística e um festival gratuito, a céu aberto, onde o espaço público é ocupado com atividades e manifestações heterogêneas com a temática da bicicleta e produzidas por artistas da própria comunidade.  
No ano passado, o festival foi realizado nos bairros de Heliópolis (Zona Sul) e Jardim Lapena (Zona Leste).  Os outros três festivais que aconteceria no primeiro semestre de 2020 o Glicério (Centro), Vila Nova Jaguaré ( Zona Oeste) e Parque Novo Mundo (Zona Norte), foram cancelados devido à pandemia do novo Coronavírus. O formato digital dessa festa promete levar a bicicleta e a arte urbana para toda cidade. Ele é habilitado pelo ProMac, Programa Municipal de Apoio a Projetos Culturais da Prefeitura de São Paulo, e patrocinado integralmente pela UBER.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.