Seattle endurece regras para bikesharing. Ofo e Spin desistem de operar na cidade

A cidade de Seattle, localizada no noroeste dos Estados Unidos, resolveu endurecer as regras para os serviços de compartilhamento de bicicletas. Um novo marco regulatório que será testado até o final do ano foi aprovado pelos legisladores locais e entre as regras de operação está uma taxa anual de US$ 250 mil  (US$ 50 por bike/ano) a ser paga pelos operadores para a cidade. Como consequência, a chinesa Ofo e a americana Spin anunciaram a saída da cidade.

Ambas empresas alegaram que as taxas são exorbitantes. A Ofo, que também está de deixando de operar em outras cidades do país, informou que vai reembolsar todos os clientes que pagaram antecipadamente. Disse ainda que vai doar todas as bicicletas em condições de uso para organizações sem fins lucrativos.

Seattle foi a primeira cidade dos EUA a permitir a operação de bicicletas compartilhadas. Com mais de de 10 mil unidades em operação, já relatava problemas com abandono de bicicletas por empresas que desistiram do negócio. A regra diz que a cidade só pode ter um total de 20 mil bicicletas desse tipo. Lá, scooters de aluguel não são permitidas.

Uma terceira empresa que já operava na cidade, a Lime, informou que vai se adequar às novas normas, enquanto que a Jump, empresa de bikes elétricas adquirida pela Uber, informou que espera obter a licença para começar os trabalhos ainda neste ano.

Algumas das novas regras de Seattle

  • Quaisquer operadores  com 2.000 ou mais bicicletas devem ter 20% das bicicletas disponíveis nos bairros com maior vulnerabilidade social. São locais onde as taxas de desemprego são maiores, a renda familiar é menor e há muita gente acima de 25 anos sem diploma de curso superior. É a maneira encontrada pela cidade para dar maior equidade ao uso do sistema.
  • A cidade estipulou um fundo de garantia de desempenho de US$ 80 por bicicleta, com um limite de US$ 10.000.  O dinheiro deve estar acessível ao departamento de trânsito para ser usado em futuros custos de reparo e manutenção de propriedade pública que possam ser incorridos, como na remoção e armazenando bicicletas estacionadas incorretamente, ou se uma empresa não estiver presente para remover bicicletas se sua permissão for rescindida. É uma maneira de evitar que a empresa interrompa o serviço e deixe para a cidade o ônus de lidar com as bicicletas abandonadas.
  • Toda empresa deve retirar em até 24 horas, a partir do momento em que for informada, qualquer bicicleta inoperante ou que não seja segura de pedalar.
  • Nenhuma empresa pode ter mais que 340 bicicletas operando por milha quadrada (1,6 km²).
  • Qualquer bicicleta estacionada em um mesmo local por mais de sete dias consecutivos sem se mover pode ser removida para um páteo da Cidade de Seattle às custas do operador.
  • Bicicletas estacionadas incorretamente devem ser arrumadas apenas das 6 às 18 horas durante dias úteis dentro de duas horas após o recebimento do aviso.

Todas as regras da cidade de Seattle para esse plano piloto podem ser lidas em inglês aqui.

Chinesa Ofo desistiu de operar bicicletas compartilhadas em Seattle
Post no Twitter da CityLab.